sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Escolhas


O tic-tic do relógio incomoda um pouco, mais  da sacada eu consigo vislumbrar a lua, minha boca ainda sente, minha mente ai lembra, meu coração ainda acelera.
Eu lembro bem, aquela noite estrelada, no quintal da sua casa, juntos deitados sobre a grama, mãos entrelaçadas, olhar fixo no céu, de repente, sua respiração estava tão perto, seu hálito de hortelã me deixou tonta,  atracados rolávamos pela grama, era uma mistura de loucura e desejo.   Você parou e não pude evitar, meu olhar, meu corpo, pedia por mais, com o polegar você acariciou meus lábios, deu um leve sorriso e novamente engoliu minha boca.
Tantos planos, tantos momentos, por que será que tudo se vai, que temos que fazer escolha?
E muitas vezes escolhemos errados!

Um comentário:

- 'Mayara Isis disse...

Mas tudo um dia passa, e nem sempre as escolhas são tão erradas assim, pois o que tem de ser, ninguém pode impedir.